SEUS FILHOS RASTREADOS NA ESCOLA, ISSO PODE?

Fundada em 2014 por um professor do MIT, Sep Kamvar, a rede de escolas montessorianas Wildflower, que fica nos Estados Unidos, usará experimentalmente uma série de sensores para monitorar a atividade de alunos e professores.

Pode parecer assustador, e talvez algo que possa fazer Maria Montessori rolar em seu túmulo. Mas seus apoiadores dizem que é um esforço para tornar o Montessori, uma filosofia educacional com apoio global apaixonado.

Maria Montessori foi uma médica, cientista e educadora italiana que construiu um movimento educacional no início do século 20, com base na noção radical de que as crianças nascem curiosas e chegam prontas para aprender o que precisam aprender. Não é papel dos educadores projetar currículos abstratos e forçar as crianças a absorvê-los, mas criar um ambiente para eles explorarem e descobrirem, o que são notavelmente capazes de fazer.

A escola, em seu site destaca que Montessori amava as crianças e as observava intensamente, criando materiais e ferramentas simples para permitir que eles fizessem o que naturalmente queriam. Nas escolas que agora levam o nome dela, as crianças fazem coisas em vez de ouvir e imitar adultos. A matemática é abordada através do aprendizado espacial, as crianças traçam letras quando dizem que a letra soa e combinam cartões com palavras para objetos pequenos.

Os professores documentam tudo: envolvimento, concentração e interações com outras crianças e materiais. Eles rastreiam como os alunos se movem pelas seqüências curriculares, como contagem, adição e multiplicação. Em outras palavras, a avaliação está observando quem são as crianças e como elas estão mudando, não administrando exames ditados por governos ou empresas de testes.

É esse processo de observação que Wildflower espera amplificar com sensores, afinal os praticantes de Montessori passaram muito tempo aprimorando o que procurar em uma sala de aula. A esperança é que os sensores ajudem nessa coleta e análise de dados, apresentando aos professores uma rica noção do que e com quem uma criança está se engajando, e onde os professores estão dedicando seu tempo.

As escolas Montessori estão tendo um renascimento: as estimativas variam, mas a American Montessori Society diz que existem 5.000 nos EUA. A maioria é privada, mas o número de escolas públicas de Montessori dobrou desde 2000, para cerca de 500, segundo o Centro Nacional de Montessori no Setor Público. Em 2018, o fundador da Amazon, Jeff Bezos, anunciou que investiria US $ 2 bilhões nas Academias do Primeiro Dia, pré-escolas influenciadas por Montessori, para crianças carentes.

As imagens serão capturadas e tratadas evitando o rosto de dos alunos e seguirá uma série de padrões de privacidade, sobre os quais os pais terão informações completas, e por meio dos sensores a escola acompanhará para onde eles se deslocam, com quem preferem trabalhar ou por quanto tempo interagem entre si e com materiais educativos, sensores que vão acompanhar o movimento de alunos e professores.

O monitoramento na educação que até pouco pareceria distópico, para a maioria, desenha mais do que rápido um novo futuro. Com o avançar dos recursos tecnológicos para o monitoramento, de câmeras a GPS e algoritmos para analisar as informações que geram. As aplicações tiveram início na China, e já tem uso também na França e nos Estados Unidos, que nascem motivadas por preocupações de desempenho ou segurança, mas essas abordagens estão evoluindo rapidamente. A aplicação da inteligência artificial à correção de exames e empregos, por exemplo, permite avaliações baseadas em mais dados sem representar um fardo insustentável de trabalho para os professores, e a coleta de mais e mais informações permite um perfil dos interesses, habilidades e atitudes dos alunos que poderiam ser utilizados de muitas formas, alguns muito perigosos e com um amplo potencial de discriminação, mas outros possivelmente muito interessantes se alguns princípios fundamentais sobre propriedade, controle e uso de informações forem respeitados.

Evoluir para metodologias mais ricas em dados e variáveis observadas é simplesmente uma questão de tempo, preparação e lógica, mas é um processo que deve estar sujeito aos controles adequados, e desenvolvido não como uma forma de discriminar e desafiar as possibilidades do aluno, mas como uma forma de lhe dar mais controle, mais informação e mais graus de liberdade sobre sua educação. Esse processo também deve se enquadrar em um futuro no qual nossa relação com o trabalho certamente mudará radicalmente, e, portanto, a educação não será mais destinada a “treinar trabalhadores” e se concentrará mais em outros aspectos do que as pessoas devem fazer para dar sentido às suas vidas. Diante disso, poderia fazer sentido até que aqueles de nós que se opõem diretamente à vigilância e monitoramento na sociedade, estivessem de acordo com esse monitoramento aplicado às instituições de ensino e quando ela é colocada a serviço dessa educação.

A iniciativa das Escolas Wildflower será possivelmente controversa. Mas também pode servir para avançar um processo que eventualmente se tornará cada vez mais como uma evolução natural do processo educacional: que ocorre em um ambiente rico em informação e análise. Quanto mais cedo submetermos este tema a uma análise completa e deixarmos de rotulá-lo simplesmente como uma distopia, certamente será melhor para todos.

É tudo novo, mas certamente irá produzir muito material para novas aplicações, porém é fundamental o cuidado com os dados sensíveis desses alunos e professores, o Direito a Educação é Universal, e as ferramentas digitais devem servir para o exercício pleno dele integrando e incluindo cada dia mais pessoas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.