Pandemia e nossos novos hábitos

Uma recente matéria no The New York Times publicou um estudo que analisou tudo que mudou ao longo da pandemia. A matéria que teve como título O Vírus Mudou a Forma de Usar a Internet” tratou no artigo questões que não nos surpreende como o aumento da procura por softwares de videoconferência, que passaram a ser uma necessidade, tanto para o trabalho como para manter a relação com as pessoas e também para estudo, que utiliza como exemplo o Google Classroom, entre outros. O surgimento de videogames que ampliou assustadoramente, afinal, as pessoas e as crianças estavam com mais tempo dentro de casa, bem como o aumento na utilização de novas redes sociais, como o Tik Tok e o óbvio aumento na utilização de serviços de streaming, bem como a queda de alguns sites, como os de informações esportivas.

A queda na procura por informações esportivas, em razão da suspensão dos campeonatos deve parar de ocorrer quando a crise passar? A volta dos campeonatos trará de volta a paixão pelos esportes?

O fato é que podemos ver diversas tendências, algumas mais sutis mas igualmente interessantes, como por exemplo o uso das páginas da Wikipédia que caiu desde o primeiro instante da pandemia ao mesmo tempo em que o acesso de páginas de prevenção a doenças, inclusive a da Universidade Johns Hopkins que acompanha a evolução do coronavírus com maior precisão, aumentou. As páginas de notícia mostram um comportamento bastante interessante com o aumento do acesso de notícias locais, pois, com a crise do coronavírus as pessoas estão mais interessadas ao que acontece a sua volta, em seu bairro por exemplo, deixando de lado as notícias mais genéricas. É uma troca do geral para o específico.

O temido efeito de saturação física das redes não aconteceu, mesmo com lives bombando e exigência do uso de plataformas de streaming, todos conseguiram utilizar sem maiores problemas ao longo da quarentena.

O aumento das Lives que ocorreu durante a pandemia, contudo, deve começar a decair, justamente em razão do seu uso saturado pelos usuários.

São novos padrões formados nesta solitária, pois, mais que uma quarentena este período significa uma solitária forçada para algumas pessoas, em especial os solteiros que moram sozinhos que de forma peculiar, em alguns casos, chegam até a mudar o status de relacionamento neste período, o que leva ao questionamento de como ocorre essa nova dinâmica de relacionamentos, pois, antes o mais esperado é que ocorressem separações com esse distanciamento, contudo, a tecnologia vem aproximando cada vez mais as pessoas, gerando inclusive a possibilidade de relacionamentos a distâncias.

O fato é que não sabemos com exatidão quais desses hábitos vem pra ficar, mas a certeza que temos é que mudaram.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.