O COMÉRCIO DERRETE E O E-COMMERCE CONGESTIONA

Nesse ano no Brasil, a venda de produtos pela internet já ultrapassou as vendas de todos os shoppings e centros comerciais junto, e deve em poucos anos ultrapassar a venda de todo comércio de rua também, mantendo sua velocidade de crescimento.

Passado a pandemia, liberadas as máscaras, as pessoas ainda não voltaram, e certamente não irão voltar na mesma proporção, isso pode ser claramente visto nessa foto da Macy’s, em Nova York, onde as ruas de permanecem calmas como durante a pandemia e lojas tradicionais com a Century 21 fecharam para nunca mais abrir.

No tradicional comércio de rua de Chinatown as tradicionais lojas de eletrônicos desapareceram, e lojas tradicionais como a B&H Vídeo estão as moscas.

Pandemia, inflação, e diversos outros fatores, mas algo é claro, todos estamos mais pobres, e todos fomos obrigados a ressignificar nossas aquisições de produtos e serviços, e com isso o comércio de rua tradicional derrete.

O prefeito de Nova York, Eric Adam e o prefeito de São Francisco, London Breed, vem conjuntamente convocando as empresas para que elas e seus funcionários voltem a ocupar o centro das cidades, e certamente o resultado disso será muito pequeno.

Que os prefeitos da cidade estão interessados em preservar a vitalidade econômica de seus centros comerciais e distritos financeiros parece fácil de entender, mas, por outro lado, será difícil para os trabalhadores assimilarem esse retorno, quando por mais de dois anos no caso de muitas empresas nos Estados Unidos, tiveram tempo não só para verificar as vantagens óbvias de não ter que suportar um engarrafamento todas as manhãs, mas também para torná-lo um hábito.

Por mais que o costume tenha nos levado a pensar, por gerações, que nossa maneira de pensar sobre as cidades e nossos hábitos de trabalho nelas eram algo razoável, a realidade é que não é de todo. Reunir trabalhadores em uma área específica para a qual eles têm que fazer uma peregrinação todas as manhãs, com um cronograma fixo que causa todos os tipos de engarrafamentos, para realizar tarefas que, na realidade, eles podem fazer, como vimos há mais de dois anos, de qualquer outro lugar, é algo que não tem justificativa. Argumentar que a razão para voltar a esses hábitos é a recuperação do comércio local, restaurantes, lanchonetes, lavanderias ou empresas que viveram desses trabalhadores é completamente questionável, pois a partir de um raciocínio já falho em seu início.

Nas grandes cidades, há muitos trabalhadores que simplesmente se recusam a voltar à forma como trabalhavam antes da pandemia. Quando você passou mais de dois anos demonstrando que pode trabalhar de forma mais eficiente de casa ou de outro lugar, que você não precisa passar pelo martírio de engarrafamentos, e que você pode comer em casa ou onde quiser sem ter que ir aos restaurantes no centro da cidade ou reaquecer a comida que você tira de casa recheada em um recipiente plástico, a ideia de regredir e voltar ao que você fez antes é simplesmente absurda.

De fato, em cidades com mercados imobiliários tão insanos quanto as de Nova York ou São Francisco, há até uma proporção interessante de trabalhadores que, ao longo da pandemia, tomaram a decisão de se mudar para outras cidades com preços mais razoáveis, e a quem a possibilidade de ter que voltar a trabalhar todos os dias às nove da manhã no centro da cidade parece simplesmente absurdo. Muitos dos trabalhadores que os prefeitos da cidade querem ver de volta em seus centros simplesmente não vivem mais lá, e só consideram viagens isoladas para seus escritórios. Escritórios que, além disso, estão evoluindo rapidamente para se tornarem lugares destinados a uma função muito mais social, e menos para ser lugares onde o trabalhador se senta para trabalhar por horas intermináveis.

É hora de aproveitar a experiência da pandemia para repensar o funcionamento das cidades, a suposta necessidade de concentrar empresas em determinadas áreas atormentadas por escritórios em prédios altos, e as rotinas a que esse tipo de abordagem condenou os trabalhadores. A ideia dos prefeitos de simplesmente acabar com a situação pandêmica e voltar a fazer as coisas como fizemos antes não faz sentido. Com a pandemia, as tecnologias que nos permitem fazer muitos tipos de trabalho independentes de um lugar geográfico específico não só avançaram muito, mas também seu uso tornou-se extremamente popular. Há outra maneira de trabalhar, e obviamente faz muito mais sentido, e claro o comércio de rua, que esperou de forma pacífica pelas mudanças derrete..

Nessa última semana a Amazon anunciou o fechamento de suas 68 lojas físicas que operavam com as bandeiras Amazon Books, Amazon Pop-up e Amazon 4 estrelas, experimentos que a marca desenvolveu ao longo dos anos, para se concentrar em seus supermercados, que vendem o que as pessoas compram muito pouco na internet, como os seus supermercados Amazon Go, Amazon Fresh e Whole Foods Market.

Evidentemente, que o fechamento não impacta especialmente as contas da gigante da distribuição: estima-se que o volume de negócios dessas lojas, que alguns descreveram como meros experimentos, foi de apenas 3% dos US$137 bilhões milhões de dólares de faturamento da empresa só no último trimestre, mas eles permitem fazer algumas reflexões sobre as decisões de uma empresa que, depois de ter causado direta ou indiretamente o fechamento de muitas lojas de todos os tipos ao redor do mundo, experiências pra ela servem para entender hábitos, desenvolver novos fornecedores e aperfeiçoar sua forma de vender.

Lembro que quando a Amazon anunciou a abertura da Amazon Books em 2015, muitos levantaram o quão interessante era que a empresa, em vez de descartar completamente a venda de livros em lojas físicas, experimentasse a ideia de manter esse canal. Alguns até usaram o caso como prova de que a distribuição física em algumas categorias de produtos não estava morta, e é por isso que a Amazon ainda estava apostando nele.

Essas lojas eram relativamente pequenas, mas nelas você podia ver, por exemplo, experimentos com recomendações e avaliações, com seleção de estoque, ou com promoções cruzadas com o canal online. Agora, após sete anos, a marca decide que o segmento de usuários que ainda querem comprar livros em uma livraria física não precisa mais de atenção, que se tornou progressivamente residual, e se concentra em outras categorias em que o hábito de compras online parece ser menos implantado.

Para onde vai a distribuição física? É difícil saber, mas as decisões que um gigante como a Amazon toma a esse respeito podem ser indicativas de um inevitável norte.

Ao mesmo tempo que o e-commerce fecha portas cria novos movimentos, o que obriga uma série de localidades a regulamentar essas atividades.

Na Catalunha, estão sendo regrados limites nas plataformas de comércio eletrônico com o objetivo de “proteger” o tecido de “proximidade”. Isso será estabelecido por um projeto de lei que nos próximos dias será aprovado pela Generalitat, e que o Parlamento validará ao longo de 2023.

O surgimento de novos negócios, como as “cozinhas fantasmas” e supermercados de redes como Gorillas e Glovo especializadas exclusivamente em pedidos online, forçam essa nova regulamentação, como os horários de entrega.

Apenas na Catalunha, segundo uma reportagem do jornal econômico Expansion, de 2020 a 2022 as vendas na cresceram 28%, sendo que 84% são entregues em casa. Isso equivale a 66 milhões de viagens, das quais 11% exigem uma segunda visita devido à ausência de vizinhos nas casas. Exigindo introduzir critérios de sustentabilidade no setor.

O propósito é evitar a sobrecarga do espaço público que envolve a distribuição dos pedidos e também os inconvenientes gerados pelos armazéns e pontos de distribuição localizados em áreas residenciais e que estejam operacionais 24 horas por dia. Seu objetivo é que as novas regulamentações diferenciem entre diferentes tipos de centros logísticos, para singularizar aqueles que lidam com a última milha.

O que está claro é que a regulamentação permitirá que os maiores municípios decidam quais são essas faixas, limitem a última milha a veículos não poluentes e em quais áreas operam armazéns e pontos de entrega de mercadorias. Esse tipo de equipamento é o que a lei pretende promover.

Nesse sentido, a Prefeitura de Barcelona acaba de apresentar sua nova estratégia para a distribuição urbana de mercadorias. Contempla uma aliança com os estacionamentos B:SM, Bamsa e Saba para reduzir o tráfego de vans e caminhões que distribuem compras online. Além disso, comprometeu-se a apresentar antes do verão uma nova sobretaxa que seria paga pelas plataformas pelo uso intensivo que fazem do espaço público, o chamado “Imposto Amazônia”.

Todas essas ações fazem parte do plano de ação para o comércio, artesanato e moda entre 2022 e 2025, que injetará esses setores em 150 milhões de euros ao longo de três anos, informa a Europa Press.

De fato, nossas cidades são inteligentes na medida em que fazem parte de uma vanguarda que entende que as cidades devem se mudar para uma nova era em que o automóvel de passeio ou de carga, desempenha um papel cada vez mais reduzido e desencorajado.

A tecnologia ganha espaço com a ampliação de smatlocker para entrega de encomendas em supermercados, farmácias, terminais de ônibus, isso diminui a circulação de veículos de carga por toda cidade, torna o ar melhor e o frete com menor custo. Reduzindo significativamente o volume de veículos de entregas nas cidades, com viagens mais concentradas, afinal o comércio de rua vem dando lugar as vendas on line e com isso ampliando o número de veículos de entrega circulando em nossas cidades. O que só contribui para a qualidade de vida nas cidades.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.