NETFLIX É UMA BOLHA?

Apenas um dia após anunciar a primeira queda no número de assinantes da plataforma em 11 anos, a Netflix registrou uma perda de US$ 60 bilhões em seu valor de mercado. A queda na Bolsa de Valores americana representou mais de um terço da avaliação da empresa, que agora gira em torno de US$ 100 bilhões. Foi o maior declínio dos papéis da empresa em quase duas décadas. Ao longo do ano, o valor das ações da companhia já acumula queda de 64%.

Com uma perde de pouco mais de 200 mil assinantes na plataforma, o que apenas reflete a suspensão do serviço de streaming na Rússia, por conta da guerra, e a competição de mercado com outros serviços de streaming, como a Disney+, o mercado nervoso tratou de forma absurda os papéis do canal líder de streaming. O que nos leva a uma reflexão bem simples, como uma justificada alteração dos números pode ser punida com tão elevada queda? Isso pode ser um sinal de que a Netflix era uma bolha? Ou pode um indicativo, de que diversas outras grandes empresas, da economia digital tem seu valor inflado e estaríamos diante de um novo estouro da bolha?

Ao mesmo tempo a empresa também atribuiu a redução de usuários à prática de compartilhamento de contas. O cálculo é que em torno dos 100 milhões de usuários do serviço não pagaram pelo acesso no período, o que afetou o crescimento global da plataforma.

Os canais de streaming, e aqui de forma mais atenta a Netflix, pela importância que as plataformas de streaming adquiriam em nossas rotinas, de forma avassaladora, com conteúdos customizados, ao gosto de cada um, as plataformas atingiram diversos setores do entretenimento e da economia organizada na medida que como negócio tocam no mesmo lugar do consumidor, seu bolso, logo na atual sociedade, como em toda história, todos os negócios concorrem sempre pelo bolso do consumidor, e logo plataformas de streaming concorrem com outras plataformas, seja elas de música ou de filmes, mas concorrem também com a Tv aberta, tv fechada, cinema, plataformas de streaming de música, YouTube e tudo que dentro da lógica da “economia de atenção” que eu chamo de economia da desatenção disputam seu tempo e seu bolso.

É fato de que as séries geram hábitos tais quais as novelas, com a vantagem que escolhemos o horário e o ritmo que queremos ver, e por isso quando termina uma temporada de uma boa série ficamos no aguardo da sua continuação, e logo vem a frustração quando essas plataformas decidem descontinuar séries que julgamos interessantes, mas qual a razão dessa decisão dentro da lógica de retenção da sua atenção?

No passado, havia fatos claros sobre o sucesso do entretenimento. Um filme vendeu um certo número de ingressos na bilheteria. Um programa de TV foi assistido por um certo número de pessoas, de acordo com dados coletados pela Nielsen. Todos sabiam quando algo era um sucesso ou um fracasso.

Porém o streaming removeu esses critérios, e mesmo que a Netflix tenha começado a publicar alguns números de audiência, ela está limitada ao conteúdo mais popular. A Netflix não vende publicidade e não tem incentivo financeiro para publicar seus dados. Então, a única maneira de saber o que tem sido um fracasso para a plataforma é por causa do conteúdo que ela decide cancelar, e no caso do mercado de capitais o seu número de assinantes.

Não é de hoje que o uso de dados serve de alicerce para o planejamento e ação da Netflix e o tempo provou como essa estratégia lhe deu uma clara vantagem sobre estúdios tradicionais que tomaram decisões baseadas no “feeling” de um gerente. Os números da plataforma e seu resultado comercial nos dão evidências tangíveis sobre o resultado dessa estratégia:

Alguns personagens da indústria cinematográfica tradicional certamente não ficarão muito felizes com o enorme sucesso da empresa, já se tornando um líder da indústria indubitável. Uma liderança baseada na implementação de uma estratégia completamente diferente da de outros concorrentes, que alguns já estão tentando imitar abertamente e que se baseia em duas questões fundamentais: a análise de dados já comentada, ou big data e apostas de longo prazo.

O uso dessa estratégia começou desde quando já enviava seus DVDs por correio, mas dos quais estava totalmente ciente quando começou a usar o streaming como meio de envio. Um canal que oferece não apenas uma capilaridade muito superior aos outros, mas um feedback quase que instantâneo, e acima de tudo, diferencialmente superior ao que um estudo tradicional é capaz de obter. Os dados de bilheteria podem ser interessantes, mas por mais que sejam esmiuçados, eles não são capazes de nos oferecer o nível de detalhe que temos na rede, com usuários que votam em tempo real com os cliques de seu mouse ou controle remoto. Tente imaginar que além de saber sobre as suas preferências, eles sabem também sobre seus hábitos, sua audiência instantânea, permite saber por exemplo em que momento você para a exibição e quanto tempo depois volta, qual a sua rotina? Quais são as séries mais exibidas e seus horários preferenciais, e dessa maneira organizar seu cardápio de forma distinta de acordo com a hora? Melhorando assim a sua experiência de consumidor”? A ideia da Netflix, por mais que Steven Spielberg pretendesse considerá-los parte de uma “liga menor” por essencialmente usar televisão em frente à tela grande, não é dominar o conteúdo televisivo, mas dominar o conteúdo, o que ganhou uma força extra em tempos de pandemia, que deve apenas consolidar o canal na liderança da nova forma distribuição.

O avançar de recursos tecnológicos só deve reforçar a competitividade dos canais de streaming, sensores ligados aos aparelhos vão alimentar ainda mais esse big data, e é claro em um confronto direto com a proteção dos seus dados e da sua privacidade.

Se no primeiro momento da pandemia, os investidores correram para assumir posições nas empresas listadas mais beneficiadas pela chamada “estadia em casa”, levando a contracorrentes mesmo em três dígitos, acima de 100%. A retirada das restrições desinflou este setor, e a nova temporada de apresentação de resultados, aquelas correspondentes ao primeiro trimestre do ano, ameaça desencadear novos alertas.

Logo muitos se perguntam se esses números refletem o fim da pandemia nas principais praças e uma crise acentuada nas empresas de streaming?

O setor de empresas de entrega de alimentos, um dos principais investimentos durante a pandemia, é o que agora acumula as maiores quedas. Como as da Just Eat Takeaway, as ações da Delivery Hero excedem 70% do colapso em termos ano a ano, enquanto as do Deliveroo e hellofresh tocam 50%.

A retirada das restrições também deflacionado o boom do mercado de ações da Peloton Interactive, a empresa americana de fitness doméstico disparou mais de 400% em Wall Street na esteira de Covid e agora deflacionado em 77% nos últimos doze meses.

O recuo no teletrabalho foi sentido naspas de empresas como Zoom Video (-44% nos últimos doze meses) e TeamViewer (-66%), especializada em serviços de videoconferência, e até mesmo a fabricante de teclados e mouses de computador Logitech (-36%).

A redução significativa nas horas de estadia em casa também não favoreceu os interesses da empresa francesa de videogames Ubisoft. Suas ações acumularam uma queda de 44% em ano.

A onda de baixa se repete entre as empresas mais especializadas em compras online. As correções alemãs do mercado de ações da Ocado fecharam em 50% nos últimos doze meses, o mesmo que aconteceu com a Allegro, a chamada “Amazônia Polonesa”.

O colapso da Netflix agravou declínios em outras empresas desencadeadas durante a pandemia. Depois de sofrer uma onda de vendas, novas compras também surgem em alguns desses valores.

A temporada incipiente de apresentação de resultados de negócios, correspondente ao primeiro trimestre do ano, ativou o alerta vermelho do mercado de ações sobre as empresas que se tornaram as estrelas da Bolsa durante o período pandemia.

A Netflix, com seu colapso histórico de 35%, tem sido o gatilho para uma nova onda de vendas em valores que acumulam colapsos próximos a até 80% nos últimos doze meses.

O corretivo sofrido na última quarta-feira elevou para 69% as quedas acumuladas no preço da Roku nos últimos doze meses.

A plataforma online de entretenimento e videogame foi um dos valores tecnológicos mais arrastados pela Netflix. Suas ações caíram 12,5% em Wall Street na quarta-feira, deixando seu preço das ações à beira de mínimas recordes. Em termos ano a ano, as quedas foram próximas de 50%.

A ARK Innovation também reagiu a essa corretiva com novas compras no valor, adquirindo 440.419 ações da Roblox.

A empresa especializada em videoconferência tornou-se um dos valores das estrelas durante a pandemia. Na quarta-feira, o colapso da Netflix subtraiu um adicional de 6,3% do preço das ações, deflacionado em quase 70% nos últimos doze meses.

O que todos se perguntam é se os valores representavam uma bolha ou apenas otimismo do mercado?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.