LIFELONG E NOVAS TECNOLOGIAS

A pandemia evidenciou a importância do chamado “Lifelong learning”, que passou a ser um artigo de sobrevivência. O Lifelong como conceito de aprendizado contínuo ganhou importância por conta da transformação digital que passam os ambientes de trabalho, ensino e até mesmo nas nossas casas.

Se até tempos atrás o diploma de uma universidade renomada era garantia de boa posição de trabalho, esses tempos ficaram para trás, pois hoje, para poder acompanhar o ritmo das novas tecnologias, o profissional precisa estar atento e ao mesmo tempo receptivo no processo de aprendizado em todos os momentos de sua vida. O que o mercado adotou com o nome de “lifelong learning” em livre tradução é o que chamamos de formação continuada.

Surgiu na década de 70 o conceito do aprendizado contínuo, mas ganhou relativo destaque no mundo corporativo após a pandemia do novo coronavírus, que por necessidade acelerou a transformação digital no mundo do trabalho e da cultura, e é claro nos nossos lares.

A incorporação do conceito de aprendizado contínuo requer do profissional o posicionamento de ser ele mesmo o protagonista da transformação, levando ele a rever suas formas de aprendizado, o que no jargão popular se chama de “aprender a aprender”. Durante a pandemia a oferta de cursos gratuitos tomou conta, o que de cara demonstra que não é apenas com dinheiro que se pode ter uma boa formação, afinal, se o profissional não exige um certificado, é possível fazer cursos em Harvard e renomadas escolas brasileiras, como a Fundação Getúlio Vargas, entre outras instituições. Porém, é importante destacar que apenas os cursos e treinamentos não são a única forma de obter conhecimentos, pois lives, palestras, documentários, podcasts, livros e vídeos nunca estiveram tão à mão dos que estão interessados no aprendizado contínuo.

A reação das instituições de ensino em todos os níveis às restrições à atividade presencial decorrentes da pandemia tem sido variada. Em geral, apenas as instituições que tinham uma forte prática educacional, com um aluno com acesso à conectividade e dispositivos e com claustros de professores já formados, conseguiram manter sua atividade sem maiores interrupções do que a mudança de ambiente, enquanto outras, por sinal a grande maioria, foram forçadas a tentar resolver a situação da melhor forma possível no contexto de uma emergência.

Aulas que continuam apenas na metade, voluntariado, exercícios online considerados apenas como um complemento, alunos sem acesso a computadores ou conexão, professores que simplesmente atribuem leituras e fazem exercícios, ou medidas como as aprovadas em geral tornaram-se comuns.

O problema que surge a partir de agora é claro: o que inicialmente parecia serem medidas emergenciais deixou de ser assim. Agora, devemos nos preparar para a vida em um mundo onde a cura ou vacina para o COVID-19 vai levar muito tempo para chegar, implicando que muitas pessoas e muitas atividades terão problemas e limitações de muitos tipos quando se trata de retomar sua atividade. Por muito tempo, as aulas terão que estar na metade da capacidade, muitos alunos ou professores passarão por diferentes graus de sintomatologia e serão forçados a limitar o aumento, o atendimento será irregular e muitas das metodologias que usamos antes não farão mais sentido.

A mudança não será oportuna, mas permanente. No futuro, todas as atividades educativas ocorrerão não no modo presencial ou online, mas no modo líquido, capazes de passar de um para outro de suporte imediatamente e sem solução de continuidade, e persistentemente ao longo da vida do aluno. Na realidade de hoje, todos nós somos obrigados a aprender e desaprender continuamente e exigiremos estruturas conceituais e ferramentas para isso. Instituições, diretores acadêmicos, professores ou alunos que não conseguem se adaptar a essa nova situação simplesmente não terão lugar neste novo cenário.

Esse novo cenário traz muitas, muitas mudanças e evidentemente um mundo igual de incertezas. Em primeiro lugar, e como uma questão óbvia, surge a resolução da chamada digital: devemos entender que qualquer pessoa que busque acesso à educação, considerada um direito universal em muitos países, deve necessariamente ter acesso a um computador e uma conexão com largura de banda razoável, essa exigência aumentará temporariamente as barreiras à entrada na educação e será algo que tanto as instituições quanto os governos terão que levar em conta incorporando os sistemas de bolsas, empréstimos, subvenções, etc. Sem isso o aprendizado contínuo só acentuará igualmente a desigualdade.

Em segundo lugar, isso significará que os professores devem, de forma obrigatória, reconsiderar todas as suas metodologias e prepará-las para esse ambiente líquido, isso não será uma opção. Por mais bem sucedido que tenha sido professor no ambiente anterior, ele deve entender que esses tempos não voltarão e consequentemente devem se adaptar aos novos. Isso deve levar a uma atitude extremamente aberta para receber treinamento em novas ferramentas com uma atitude positiva, modificar suas agendas, suas metodologias de avaliação e entender o papel de cada elemento nesse novo ambiente com processos de aprendizagem redefinidos.

Em terceiro lugar, as instituições, tanto educacionais quanto normativas, terão que entender que nesse novo contexto, há elementos metodológicos que perdem completamente seu significado. Em um ambiente online com acesso ilimitado à informação, o foco na memorização única perdeu o seu significado e é cobrado por outros elementos, como saber selecionar e usar as informações adequadas a cada contexto. Precisaremos fazer a transição de sistemas baseados em exames que incentivem a retenção para outros com base no desenvolvimento de projetos ou empregos. Os livros didáticos como uma única fonte de conhecimento tornam-se anacrônicos, assim como as chamadas sessões de mestrado em que um professor “recita” uma lição para seus alunos tomarem notas, em vez disso, as metodologias de sala de aula invertidas tomarão o centro do palco, no qual o aluno assumirá a liderança na preparação do material e o professor dedicará o tempo de interação, um senhor desafio, seja online ou presencial, e é claro fornecer estrutura, para dar explicações em maior profundidade ou para a resolução de dúvidas.

Além disso, viveremos um boom nos sistemas sociais, o trabalho em grupo e a participação se tornarão elementos-chave da educação, pois representam como os alunos transferirão o conhecimento adquirido diante do mundo. Precisamos avaliar não apenas o que um aluno sabe ou deixa de saber, mas como ele o usa para convencer os outros, ser convincente em um grupo, ajudar o progresso da classe, ou liderar a discussão. Avaliações peer-to-peer, ou avaliações por pares, tornar-se-ão onipresentes. Quando antes um professor, em muitas instituições, dependia de uma única interação, o exame para colocar a nota, veremos agora sistemas complexos em que a nota consiste em participação, empregos, projetos, trabalho individual e em grupo, notas atribuídas pelos colegas, e possivelmente vários outros critérios.

Que ferramentas usaremos? Muitos, muito variados e em constante evolução. Desaprenda tudo o que você pensou que sabia sobre educação e, acima de tudo, educação online, isso é outra coisa.

Não, o ensino online não consistirá em virar uma manivela enquanto os alunos aprendem por conta própria, pelo contrário terá a ver com um envolvimento mais forte dos professores que passarão muitas horas em fóruns moderando conversas e abrindo novos segmentos. Fóruns que terão que ter recursos sociais avançados com os que já nos familiarizamos (likes, favoritos, etc.), múltiplas capacidades analíticas e outras ferramentas capazes de tornar as conversas melhores e mais profundas do que aquelas que ocorrem em um ambiente presencial e com mais oportunidades de personalização e adaptação às características dos alunos.

É mais do que evidente que o ensino online não é mais uma opção. No próximo curso, as instituições que não conseguirem oferecer uma metodologia líquida que integre o presencial e o online sem solução de continuidade estarão sujeitas a restrições insustentáveis e terão sérios problemas de continuidade. O que muitos adotaram em um contexto de emergência terá que se tornar, no próximo ano, soluções integradas, maduras e competitivas capazes de proporcionar experiências de aprendizagem eficientes, completas e satisfatórias. Um desafio para todos, instituições, professores e alunos, mas em que o ensino será capaz de alcançar uma nova dimensão, mais adaptada ao contexto, mais flexível e acima de tudo, mais lógica, em todos os sentidos.

Por certo você é o que você é em tudo o que você faz, a sua experiência e isso é dinâmico e vai se modificando ao longo da vida. Por certo, a mentalidade de que à medida que envelhecemos aprendemos menos deve ser superada.

O Lifelong learning, exige todos os requisitos acima, mas acima de tudo uma igualdade na oferta, algo qual nossa Constituição o faz quando preconiza o ensino universal.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.