A APPLE PODE DAR AS CARTAS NO METAVERSO?

Os números do universo financeiro do metaverso são projetados por muitas consultorias a gigante PwC prevê que as tecnologias VR e AR proporcionarão US $ 1,5 trilhão em incentivos à economia global até 2030, ante US $ 46,5 bilhões em 2019, tamanho volume indica a importância da liderança e de um posicionamento estratégico nesse mercado.

Não foi à toa que o Facebook mudou de nome para Meta e também não é por nada que muitos imaginam que os óculos desenvolvidos pela Apple podem ser o novo Iphone.

Nesse momento a Apple parece continuar colocando as peças para o que muitos acreditam ser o seu próximo produto um óculos ou um espectador de realidade aumentada ou virtual, com o objetivo de reinventar um espaço que, no momento, se limita a usos relativamente restritos e apenas por entusiastas do assunto, tente imaginar o óculos como assessor das chamadas? Imagine seus óculos virtuais nas plataforma digitais de música vendendo ingressos para o show do U2, com ângulos especiais e a possibilidade de interação? Agora imagine que a Apple possa ofertar a plataforma pra todos os artistas do mundo ampliando a participação e a riqueza de shows, palestras e todo e qualquer tipo de evento?

Pra muitos a diferença mais notável entre a realidade virtual e o metaverso é que a RV agora é bem compreendida, enquanto o metaverso não, ou seja ainda estamos engatinhando nele.

Com um investimento da Meta de mais de dois bilhões de dólares já em 2014, adquirindo a Oculus VR, Zuckerberg já mostrou literalmente que tem visão, pois 7 anos de trocar o nome da sua empresa para Meta já entendia qual o próximo boom tecnológico, qual a nova internet.

Já a empresa de Steve Jobs, parece estar configurando, aparentemente sem pressa, uma   oferta de hardware, software e conteúdo visando redefinir esse espaço, e que podemos imaginar como a porta de entrada da Apple no Metaverso, tudo é claro em 2022, em que muitos acreditam que se trata da sucessão natural do seu produto de maior sucesso, o iPhone.

Muitas notícias que já comentam sobre diversos dispositivos e suas características, patentes registradas e aquisições pra lá de estratégicas que se somam a esse projeto, começando a criar assim o clássico halo de mistério que geralmente precede os grandes lançamentos da empresa: um dispositivo provavelmente conectado ao seu iPhone, com elementos que vão desde um acabamento de tecido ou um ventilador até um  sistema de rastreamento ocular ou reconhecimento de íris, cerca de 350 gramas em sua primeira iteração, com o mesmo carregador de 96W que o MacBook Pro tem, e com um preço provavelmente alto, em torno de dois mil dólares, com um processador de desempenho equivalente aos de seu M1 . Mas além de vazamentos e rumores, a evidência de que a empresa parece estar negociando com diretores como Jon Favreau para criar conteúdo de entretenimento específico para tal dispositivo, possivelmente com a ideia de combinar realidade com projeções, ou que óculos grudados nos olhos podem gerar uma visualização equivalente à de uma tela muito grande, ou seja a empresa de Cupertino caminha a passos largos para ser a protagonista do Metaverso, ou ao menos rivalizar o protagonismo, ou alguém imagina que a Meta (antigo Facebook) iria nadar sozinha nesse oceano de oportunidade?

O mais importante é tentar imaginar a forte ideia que está por trás do conceito de reinvenção: a Apple é conhecida por ter alcançado, em seus produtos mais bem sucedidos, que o conceito tinha aplicação para um grande número de usuários que, anteriormente, não eram atraídos por dispositivos desse tipo, mas que após a interação apresentada pela empresa, eles vêm vê-los como algo interessante, atraente ou, de alguma forma, como uma boa ideia, novo produto, novo mercado novo engajamento de novos consumidores, tudo ao estilo Apple.

O solo está lá: uma tecnologia, tanto em sua versão completamente virtual quanto na aumentada, que muitos já tentaram, mas que não parece ter conseguido passar de um uso relativamente marginal. O que a Apple pode incorporar que alcança esse aplicativo matador que todos esperam? Definitivamente, o conteúdo pode ser importante, mas é simplesmente uma questão de conteúdo, ou existe algum outro tipo de ingredientes adicionais? Como a Apple pretende reinventar o campo da realidade virtual e aumentada?

E o que deve ter esse Metaverso, quais seriam seus requisitos?

É importante entender que as empresas podem ter a mesma finalidade, mas partem de premissas e vantagens competitivas distintas, por isso estabelecer, explicar ou entender as diferenças entre o que o metaverso deveria ser como tal, e propostas como Horizon Worlds,  de Meta, e afins.

Em que pese a leitura simplista de muitos, onde muitos afirmam que o metaverso é, na realidade, um videogame glorificado e que ele muitos se aproxima ao que a Second Life era na época, o que inclui como vendê-lo para empresas participantes, “compre-me viseiras, compre-me espaço, coloque desenvolvedores para pintar seu cenário,  etc.” – e isso, na realidade, não fornece muito mais do que uma plataforma para os usuários percorrerem, conhecerem, socializarem, falarem, etc. Qualquer um que entre no site da Horizon Worlds, pode-se entender  como propostas semelhantes, pode-se vê-lo claramente: um desenvolvimento em Unidade, e avatares andando, mas seria só isso, ou as visões devem lentamente se convergir?

Logo o universo dos cripto ativos ganha importância ímpar no metaverso, o mundo cripto, começando com as criptomoedas, continuando com o blockchain e passando para as coisas que podem ser feitas sobre isso: carteiras, tokenização, contratos inteligentes e DAOs, podem fornecer a base de segurança e de meios de pagamento para esse metaverso. Assim partindo do uso da criptografia ele entrou no conceito de Web 3, para finalmente combinar ambas as coisas e explicar que um metaverso tinha que ser, acima de tudo, um ambiente completamente aberto e de código aberto, uma plataforma descentralizada, sem quaisquer termos de serviço ou equivalente, em que qualquer pessoa poderia criar sua própria presença apoiada por um padrão criptográfico,  e cujas normas emergiram da própria comunidade de usuários organizadas de forma democrática na forma de uma organização autônoma distribuída. São precisamente os atributos que podemos ver hoje, e que diferenciam o metaverso, que ainda não existe, de outro conceito muito mais simples e menos ambicioso chamado por alguns de “mundo virtual”, ou seja o metaverso terá sim estágios diversos de desenvolvimento, com atores preponderantes em diversos estágios.

Com essa diferenciação, as coisas ficam muito mais claras: Segunda Vida? Um mundo virtual, na verdade, um dos pioneiros. Horizon Worlds? Outro mundo virtual (mas sem pernas), e orientado para meta vender muitos fones de ouvido Oculus. Microsoft Mesh? Outro mundo virtual, neste caso regido pela Microsoft. Simplesmente isso, mundos virtuais, jogos de vídeo glorificados em que muitas empresas, impulsionadas pelo furor de querer ser mais moderno do que qualquer outra pessoa, injetarão recursos comprando espectadores, pagando por terras virtuais (na verdade, espaço em um servidor), e contratando designers e desenvolvedores para desenhar suas instalações para orientar seus clientes, em que fazer reuniões ou em que tentar impressionar o resto do mundo,  em “observe o quão moderno eu sou, que eu tenho uma presença no metaverso”.

O meio de pagamento, e isso a Apple já domina com seus bilhões de consumidores pode ofertar uma vantagem significativa no metaverso, definitivamente as coisas estão começando a ficar mais difusas com a Decentraland. Porque além de seus jogos chegarem a mais pessoas, descobrimos que podemos optar por entrar com uma conta tradicional simples com nome de usuário e senha, mas também podemos fazê-lo através de uma carteira, com a qual existe um DAO que nos permite votar em decisões de muitos tipos que afetam o funcionamento do ambiente, com o qual ele tem uma moeda,  MANA, que usa a blockchain  Ethereum, e com a qual sua arquitetura é de código aberto. Esses atributos, que os descrentes da criptografia considerarão meramente anedóticos, são na verdade o que torna a Decentraland algo que, pelo menos, está um pouco mais próximo do conceito de metaverso, e que, sem ser assim ainda, tem muito mais interesse e mais possibilidades quando se trata de educar o usuário em um modelo de interação e certo uso, logo o novo universo dos negócios trará mais segurança por blockchain e por agentes gigantes nessas tratativas.

Um metaverso pode ser perfeitamente usado em uma tela tradicional, com teclado e mouse. Recorrer a um visor é tentar obter uma interface mais imersiva, mas não é necessário, e na verdade, condiciona parte dos usos que podem ser feitos para uma simples questão de ergonomia e por isso os óculos novos ganham importância.

As empresas têm que estar no metaverso? Depende, mas em muitos casos, como o de uma universidade, pode ser necessário se você acreditar que, no futuro, haverá algumas coisas que faremos regularmente nesses tipos de ambientes imersivos.

Essa mudança vai fazer com que tenhamos um universo de oportunidade, que vão de desenvolvedores, equipamentos até profissionais para treinar esses novos profissionais na imersão do metaverso.

No metaverso você pode estabelecer sua presença, em um mundo virtual você só pode estar em uma plataforma que quando você quiser, vai mudar suas regras, forçá-lo a pagar mais, ou forçá-lo a aceitar regras absurdas.

Ao decidir se queremos ou não estar no metaverso, se queremos explicá-lo ou se pretendemos entendê-lo, a diferenciação entre o mundo metaverso e o virtual me parece absolutamente fundamental. O primeiro poderia, a qualquer momento, levantar muitos dos elementos do futuro da web, de uma web muito mais descentralizada, na qual nós mesmos gerenciamos nossa identidade e nossos dados, e nos quais podemos construir nossa presença. A segunda é simplesmente uma Segunda Vida, cerca de vinte anos depois. Tenha cuidado onde entramos e quais contratos assinamos, pois sempre houve aproveitadores e vendedores de fumaça preparados para ganhar dinheiro às custas daqueles que querem parecer mais modernos do que qualquer outro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.